Zuka dá início à série
A partir de agosto, os clientes do Zuka poderão experimentar - pelo valor de R$ 38 - três cachaças premium selecionadas por Isadora, e miniporções de petiscos, criados por Ludmilla, para harmonizar com as aguardentes. A degustação terá novos rótulos a cada três meses, e cai bem antes ou depois da refeição. Produzidas no Nordeste e no interior do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, os rótulos foram escolhidos através dos seguintes critérios: alta qualidade, excelente sabor e história. "O Zuka recebe muitos estrangeiros e, por isso, achamos bacana difundir a importância e o sabor da cachaça, já que esta é uma bebida típica do Brasil", afirma a chef.
A cachaça remete à história do país desde sua colonização por Portugal. Antes destinada aos escravos, a bebida se popularizou, e chegou a ser utilizada na Europa e na África como moeda de troca.

Confira, abaixo, as cachaças escolhidas e suas harmonizações:

- Caraçuípe Prata (Engenho Caraçuípe, Campo Alegre, Alagoas): é uma homenagem a Antônio Coutinho, avô dos atuais produtores do engenho, que iniciou suas atividades em 1933. Armazenada em madeiras neutras, a Caraçuípe possui aroma fresco de cana-de-açúcar e 40% de teor alcoólico. Para harmonizar, queijo Boursain com crosta de Castanha de Caju. Ludmilla optou por ingredientes típicos do Nordeste, que contrastam com o paladar seco da cachaça e a acidez cremosa do queijo.

- Perfeição Carvalho (Fazenda Vista Linda, Santo Antônio do Rio Grande, Minas Gerais): seu sabor é influenciado pelo clima frio das montanhas da Serra da Mantiqueira e, também, pelas raízes rurais e influências do músico Marcelo Bonfá. Envelhecida em carvalho europeu, a Perfeição possui notas de baunilha e caramelo, e teor alcoólico de 45%. Para contrastar com os aromas doces da cachaça, a escolha de Ludmilla foi o queijo coalho, resultando na típica combinação gastronômica mineira: a união do doce e do salgado.

- Sete Engenhos Cerejeira (Engenho São Miguel, Quissamá, Rio de Janeiro): produtores de cana-de-açúcar desde 1858, a família responsável pelo Engenho São Miguel fabrica a bebida através de um processo sustentável. Armazenada em cerejeira, a Sete Engenhos possui aroma de mel e canela, notas de passas e nozes, e 39% de teor alcoólico. O acompanhamento é banana com melado, para destacar os ingredientes da composição.
" />
A partir de agosto, os clientes do Zuka poderão experimentar - pelo valor de R$ 38 - três cachaças premium selecionadas por Isadora, e miniporções de petiscos, criados por Ludmilla, para harmonizar com as aguardentes. A degustação terá novos rótulos a cada três meses, e cai bem antes ou depois da refeição. Produzidas no Nordeste e no interior do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, os rótulos foram escolhidos através dos seguintes critérios: alta qualidade, excelente sabor e história. "O Zuka recebe muitos estrangeiros e, por isso, achamos bacana difundir a importância e o sabor da cachaça, já que esta é uma bebida típica do Brasil", afirma a chef.
A cachaça remete à história do país desde sua colonização por Portugal. Antes destinada aos escravos, a bebida se popularizou, e chegou a ser utilizada na Europa e na África como moeda de troca.

Confira, abaixo, as cachaças escolhidas e suas harmonizações:

- Caraçuípe Prata (Engenho Caraçuípe, Campo Alegre, Alagoas): é uma homenagem a Antônio Coutinho, avô dos atuais produtores do engenho, que iniciou suas atividades em 1933. Armazenada em madeiras neutras, a Caraçuípe possui aroma fresco de cana-de-açúcar e 40% de teor alcoólico. Para harmonizar, queijo Boursain com crosta de Castanha de Caju. Ludmilla optou por ingredientes típicos do Nordeste, que contrastam com o paladar seco da cachaça e a acidez cremosa do queijo.

- Perfeição Carvalho (Fazenda Vista Linda, Santo Antônio do Rio Grande, Minas Gerais): seu sabor é influenciado pelo clima frio das montanhas da Serra da Mantiqueira e, também, pelas raízes rurais e influências do músico Marcelo Bonfá. Envelhecida em carvalho europeu, a Perfeição possui notas de baunilha e caramelo, e teor alcoólico de 45%. Para contrastar com os aromas doces da cachaça, a escolha de Ludmilla foi o queijo coalho, resultando na típica combinação gastronômica mineira: a união do doce e do salgado.

- Sete Engenhos Cerejeira (Engenho São Miguel, Quissamá, Rio de Janeiro): produtores de cana-de-açúcar desde 1858, a família responsável pelo Engenho São Miguel fabrica a bebida através de um processo sustentável. Armazenada em cerejeira, a Sete Engenhos possui aroma de mel e canela, notas de passas e nozes, e 39% de teor alcoólico. O acompanhamento é banana com melado, para destacar os ingredientes da composição.
"/>

notícias
 
Zuka dá início à série

Inspiradas pela diversidade da cultura gastronômica e etílica do Brasil, Ludmilla Soeiro, chef do restaurante Zuka, e a sommelier e consultora de cachaças Isadora Bello Fornari, dão início à série "Cachaças Brasileiras".

A partir de agosto, os clientes do Zuka poderão experimentar - pelo valor de R$ 38 - três cachaças premium selecionadas por Isadora, e miniporções de petiscos, criados por Ludmilla, para harmonizar com as aguardentes. A degustação terá novos rótulos a cada três meses, e cai bem antes ou depois da refeição. Produzidas no Nordeste e no interior do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, os rótulos foram escolhidos através dos seguintes critérios: alta qualidade, excelente sabor e história. "O Zuka recebe muitos estrangeiros e, por isso, achamos bacana difundir a importância e o sabor da cachaça, já que esta é uma bebida típica do Brasil", afirma a chef.
A cachaça remete à história do país desde sua colonização por Portugal. Antes destinada aos escravos, a bebida se popularizou, e chegou a ser utilizada na Europa e na África como moeda de troca.

Confira, abaixo, as cachaças escolhidas e suas harmonizações:

- Caraçuípe Prata (Engenho Caraçuípe, Campo Alegre, Alagoas): é uma homenagem a Antônio Coutinho, avô dos atuais produtores do engenho, que iniciou suas atividades em 1933. Armazenada em madeiras neutras, a Caraçuípe possui aroma fresco de cana-de-açúcar e 40% de teor alcoólico. Para harmonizar, queijo Boursain com crosta de Castanha de Caju. Ludmilla optou por ingredientes típicos do Nordeste, que contrastam com o paladar seco da cachaça e a acidez cremosa do queijo.

- Perfeição Carvalho (Fazenda Vista Linda, Santo Antônio do Rio Grande, Minas Gerais): seu sabor é influenciado pelo clima frio das montanhas da Serra da Mantiqueira e, também, pelas raízes rurais e influências do músico Marcelo Bonfá. Envelhecida em carvalho europeu, a Perfeição possui notas de baunilha e caramelo, e teor alcoólico de 45%. Para contrastar com os aromas doces da cachaça, a escolha de Ludmilla foi o queijo coalho, resultando na típica combinação gastronômica mineira: a união do doce e do salgado.

- Sete Engenhos Cerejeira (Engenho São Miguel, Quissamá, Rio de Janeiro): produtores de cana-de-açúcar desde 1858, a família responsável pelo Engenho São Miguel fabrica a bebida através de um processo sustentável. Armazenada em cerejeira, a Sete Engenhos possui aroma de mel e canela, notas de passas e nozes, e 39% de teor alcoólico. O acompanhamento é banana com melado, para destacar os ingredientes da composição.


Fonte: Prima Press
 
 



Voltar




 
Leblon | Rio de Janeiro | RJ | Tel 21 2219.4380